O Eu Superior – Corpos Causal, Átmico e Búdico

Os corpos causal, búdico e átmico são mais sutis que os 3 anteriores. Existem outras denominações para estes corpos mas o que importa é que são a origem do que há de de melhor em nós, exercendo poderosa influência no crescimento e transformação. De acordo com os princípios reencarnatórios, os frutos da experiência que transformamos em qualidades permanentes assinalam a evolução do EU individual.

 

O CORPO CAUSAL é o centro da consciência egostista (ou da alma), sendo relativamente estável, atravessando todo o ciclo das reencarnações, somente se dissipando após a quarta iniciação, quando a necessidade de renascer não existe mais ao ser humano.

É o veículo da consciência superior, o templo divino em nós. Nele se encontra a explicação para problemas que vão além do emocional e do mental. É uma dimensão que  permanece através de todas as mudanças no decorrer de uma vida, dando-lhes significado e continuidade. Estas passam através das vidas no interior deste corpo, tornando-se uma combinação das suas qualidades mais elevadas do EU : a consciência, a percepção interior, a intuição ou conhecimento direto, a criatividade, a intencionalidade, o anseio ao divino, ao amor, ao bem, as formas mais puras de compaixão.

 

É nele que se econtram as verdadeiras causas daquilo que somos aqui e agora, as sementes de qualidade de nossa mente e do nosso coração. Um estímulo energético positivo pode não influenciar estes corpos superiores, mas a harmonia e felicidades decorrentes de um equilíbrio interno emitirá frequência vibratória tão alta que lá encontra ressonância.

 

Dentro das classificações dadas existem duas subdivisões:

 

O EU INFERIOR: corpo etérico, astral ou emocional, e corpo mental. Este plano está ligado ás experiências cotidianas, fatos e emoções presentes constantemente nas nossas necessidades humanas básicas e nos estreitam á uma visão mais ampla. Nestes estão os nossos pensamentos superficiais de baixa frequência vibratória que refletem os processos patológicos.

 

O EU SUPERIOR: formado pelos corpos causal, átmico e búdico, que constituem a FASE ENERGÉTICA do ser humano, interpenetrados e interdependentes, acredita-se que não façam parte dos processos patológicos pois estão em uma dimensão muito sutil onde não sofrem interferências das vibrações inferiores.

 

Somente quando o plano inferior de uma pessoa se harmonizar é que ela poderá entrar nestas multidimensionalidades, ou outros níveis de consciência que fazem parte do eu superior. Isto se concretiza através da IMAGINAÇÃO CRIATIVA, que leva o ser á entregar-se incondicionalmente a ideais superiores. Desta forma seu padrão energético possuirá uma alta frequência que o permitirá entrar em ressonância com padrões vibratórios muito sutis. (inspirações)

 

O conhecimento humano sobre estes processos ainda é muito restrito, cabe a cada indivíduo buscar resultados através de manifestações mentais. Devemos estar harmonizados para que os impulsos de nossa inteligência criativa se manifestem e para que possamos organizá-los. A capacidade de organizar nossos pensamentos é fundamental para desdobrarmos nossa personalidade e analisarmos nossas deficiências e propensões, que, superadas nos conduzirão á novas formas de percepção frente aos outros seres, ao planeta, e ao universo em que vivemos e do qual fazemos parte. A CHAVE É O AUTO CONHECIMENTO.

 

Como neste texto os últimos 3 corpos foram analisados de forma conjunta, irei pesquisar em novas fontes para trazer maiores e mais detalhadas informações.

atman – em alemão:respiração, referente ao ar

búdico – interessa aqui ler a parte deste blog sobre Buda e a iluminação

 

Interessante estudar toda a física que concerne á ONDULATÓRIA para podermos compreender de maneira real e não somente intuitiva as manifestações citadas.

 

 

CAMPOS DE PRECE a Raiva e o Amor

A raiva sempre é uma tentação. Ela nos faz nosso ego pensar que estamos ficando mais fortes. É preciso ser esperto e não se deixar enganar.

Ela funciona como uma prece negativa. Já existe mal suficiente no mundo sem que seja aumentado inconscientemente. Essa é a grande verdade por trás do código de COMPAIXÃO  TIBETANO.

Ao corrigirmos um padrão negativo em nós mesmos, como a raiva, devemos evitar o padrão de prece negativa, como `não consigo fazer isto` ou `não consigo mudar`. Desta forma estamos literalmente rezando para permanecer tudo como está. TEMOS QUE MANTER UMA VISÃO DE QUE IREMOS ENCONTRAR UMA ENERGIA MAIS ELEVADA E SUPERARMOS NÓS MESMOS.

As ondas cerebrais são reais e podem ser manipuladas pela NOSSA INTENÇÃO, e reforçadas elevando seu nível de ENERGIA.

As ondas cerebrais , um determinado conjunto diferente de ondas, de maior alcançe, podem ser fortalecidas a ponto de podermos INFLUENCIAR OS ACONTECIMENTOS. Mas só as coisas que conduzam nossa vida na direção que DEVEM TOMAR. Caso contrário a energia se dissipa. Existe uma direção que parece melhor, mais inspirada, que nos dá mais satisfação que todas as outras, pois pertencemos á um intento que é uma parte maior de NÓS MESMOS e com o qual podemos nos ligar. O nosso EU VERDADEIRO é muito maior do que podemos imaginar.

 

Tudo começa com a percepção de que nosso chamado CAMPO DE PRECE é real.  Este é o campo de energia que emitimos para fora de nós através do nosso PENSAMENTO INTENCIONAL DIRIGIDO, pelo alto de nossa cabeça (chakra) e pelos olhos. Podemos estender este campo e ter efeito sobre o mundo á nossa volta. Primeiramente temos que MELHORAR A QUALIDADE DA ENERGIA  que estamos ingerindo fisicamente.

Alimentos pesados e industrializados acumulam ácidos sólidos na nossa esrutura molecular, BAIXANDO nossa vibração e finalmente provocando doenças. Os alimentos vivos, frutas e vegetais frescos, tem efeito alcalino, e AUMENTAM nossa vibração.

Quanto mais pura for a nossa vibração mas fácil será a ligação com as energias sutis que existem á nossa volta.

Devemos aprender á respirar de maneira á inalar constantemente este nível mais alto de energia. (Não por acaso a Yoga tem exercicios puramente respiratórios e sempre ouvimos a expressão de `respirar fundo `frente á um problema). A medida é a nossa PERCEPÇÃO DA BELEZA: quanto mais alto nosso nível de energia, mais BELEZA ENXERGAREMOS ao nosso redor. Podemos aprender a visualizar este nível mais alto de energia fluindo de nós para o mundo, usando a forma do estado emocional do AMOR como medida de que isto está ocorrendo.

Visualizando esta energia como um campo que se estende antes de nós onde quer que formos, podemos aumentar permanentemente a nossa força.

APOCALIPSE

São muitas as doutrinas que se espalham pelo mundo atualmente. Um sem número de seitas com fundamentos nos mais diversos, porém todos pregam algo semelhante: uma visão espiritual do universo.

 

Porém cada seita, cada crença, insiste em acreditar que é a possuidora da única verdade, e daí podemos facilmente constatar que nenhuma está totalmente correta. Muitas atualmente se aproximam surpreendentemente da Verdade, muitas demonstram conhecer o lado espiritual de todos os seres, muitas já existem há muito tempo…

Todas procuram explicar a mesma verdade, todas contam apenas uma parte da verdadeira história do ser humano.

 

Apesar do Eclipse Solar previsto por Nostradamus ter ocorrido na data marcada, anunciando que estamos vivendo o Apocalipse descrito na Bíblia, temos visto apenas manchetes e artigos satíricos a respeito do profeta e do próprio Apocalipse.

O ser humano tem a sua visão atual voltada de modo tão material que só acredita em fatos unicamente materiais, sendo que esperam pelo dia do Juízo final como uma guerra nuclear ou aniquilatória, ou um possível vírus que dizime toda a população.

Porém a realidade do Apocalipse difere em muito do que a visão materialista pode esperar. Em realidade estamos todos VIVENDO ATUALMENTE a ERA FINAL, ou como os hindus definem esta época onde o homem está imerso no materialismo e na sensualidade desenfreada, de Reino de Kali.

 

O Apocalipse consiste nos tormentos que vivemos hoje devido à ausência de desenvolvimento espiritual da maioria das pessoas, que , semelhante a um jardim repleto de ervas daninhas, impede o crescimento das plantas superiores, ou seja , impede o desenvolvimento espiritual completo dos seres que optaram pelo caminho, que aconselhamos correto, seja seguindo a mensagem de Jesus, de Krishna, Buda ou Maomé.

 

Atualmente temos no planeta Terra uma grande maioria de seres egoístas, cruéis, vingativos, carnívoros e apegados a prazeres terrenos, que estão de todas as maneiras impedindo o crescimento total de criaturas voltadas para o caminho do Bem. Foi escrito inclusive que atualmente temos seres encarnados aqui que não são espiritualmente humanos, mas de orbes INFERIORES à Terra.

Como na analogia do jardim, é preciso que se arranquem as ervas daninhas. Pois é exatamente isto que está ocorrendo neste período. Atualmente: cada ser tem configurado, no dia de sua morte terrena, o seu dia do Juízo Final.

No momento de nossa morte, na época atual, passaremos pelo Julgamento. Se tivermos conseguido atingir a visão espiritual, de modo a agirmos realmente de acordo com o bem comum, seremos colocados ‘á direita de Deus’, ou seja, retornaremos á Terra para continuarmos nosso desenvolvimento, e vivenciaremos o que o apocalipse bíblico expõe como o Reino de Paz que durará mil anos.

Porém aqueles que tem seu espírito envolto pelo materialismo, pelos vícios, pela luxúria, pelo egoísmo e pelo mal, estes serão , após sua morte terrena, enviados á outros orbes, (ou planetas, para melhor compreensão), de acordo com seu desenvolvimento atrasado. São os que estarão ‘à esquerda do Pai’, e viverão sua próxima encarnação em orbes inferiores aos da Terra, descritos na Bíblia como ‘tanque de enxofre e nas regiões de uivos e ranger de dentes’, como Ramatis bem define ‘um orbe tão primário e selvático, cuja vivência cruel e violenta da animalidade indisciplinada enquadra-se perfeitamente na descrição de uivos e ranger de dentes, que é a manifestação característica da vida inferior’.

Aos que duvidam de existência de vida em outro planeta, é preciso que se atualize com as descobertas no Campo da Astronomia, que já identificou milhares de galáxias, cada uma com milhões de sistemas estelares como o sistema solar em seu interior.

 

Estes espíritos inferiores, humanos ou não, que hoje habitam a Terra sob disfarce de homens civilizados e bem vestidos, porém com a alma corroída pelo egoísmo, e que desprezam os outros seres humanos, além de se alimentar de cadáveres de seus irmãos menores, julgam-se hoje superiores aos outros, devido a sua posição social e condições financeiras. Quanta ignorância tantos hoje apresentam a respeito da continuidade da vida, e quanto sofrimento terão quando estiverem frente a frente com a inevitável morte terrena..

Serão despertados para a realidade espiritual de maneira brusca, e não terão tempo de se arrepender se antes de sua morte terrena não modificarem suas atitudes e se remirem dos seus erros.

Ignorantes da imortalidade da alma, hoje seres cruéis e egoístas se utilizam dos seus bens materiais, que deveriam ser utilizados em benefício do próximo e da humanidade em geral, para seu próprio regozijo terreno. Sem pensar duas vezes pessoas se matam umas às outras em nome do dinheiro ou dos vícios, crentes que vivem uma única vez, e que esta vida deve ser APROVEITADA!

RELIGIÃO

O Alcorão é o texto que trás a melhor definição para a questão das diversas religiões frente a Verdade:

‘Não há imposição quanto a religião, porque já se destacou a verdade do erro. Quem renegar o sedutor e crer em Deus, ter-se-á apegado a um firme e inquebrantável sustentáculo, porque Deus é Oniouviente, Sapientíssimo. (vers.256, 2ª Surata)’

O referido ‘sedutor’ nada mais é do que a ilusão À respeito do mundo material, e Deus, a perfeição e unicidade de toda a Criação. De mesmo modo quando Cristo se refere à Mamon, está se referindo ao mundo material.

 

As doutrinas que atualmente estão mais próximas da Verdade são as orientais (no hinduísmo de Brahman e Krishna, e na doutrina de Buda), e na islâmica, sendo que a islâmica sofreu de modo idêntico a alteração da interpretação dos escritos sagrados (no caso o Alcorão) como a doutrina cristã, na má interpretação dos escritos sagrados (a Bíblia).

A doutrina oriental mais esclarecedora é a hindu, pois demonstra de modo claro e didático a existências do duplo etéreo (Prânamâyakosha), da interação com o corpo físico (Stûlopâdhi), e o mecanismo da reencarnação. Ocorreu uma fusão das doutrinas de Krishna e Buda, sendo que a união de ambas oferece amplo esclarecimento à respeito da perfeição do Universo. A doutrina de Buda é perfeita no que condiz á informação necessária aos homens para se livrarem do sofrimento decorrente da falta de informação á respeito da realidade da vida espiritual, e oferece uma regra de conduta para aqueles que desejam se livrar de toda a opressão do mundo materialista e assim possam atingir a perfeição, ou o chamado Estado de Buda.

Na doutrina hindu Deus é definido como Brahman, que se manifesta de três formas que agem simultaneamente mantendo a perfeição do universo: Brahma, Shiva e Visnhu.

Brahma é o responsável pela criação , Visnhu pela manutenção e Shiva pela destruição. O interessante é que Krishna é a manifestação encarnada de Visnhu, e se manifestou com o intuito de esclarecer os seres, ou seja manter a obra, e é considerada como uma encarnação antecessora de Cristo, que se manifestou com objetivo idêntico e pode-se comparar os seus ensinamentos com os de Krishna através da comparação do Evangelho com o Bhagavad Gita, que nada mais é do que a compilação de esclarecimentos falados, assim como o evangelho.

Desta forma o mesmo espírito encarnou novamente para exercer a mesma função, e deixou seu ensinamento de forma idêntica, porém o materialismo crescente dos seu predecessores levaram á deturpação e perda dos seus ensinamentos. Não é de se espantar, pois quando vivo, ao invés de ser aclamado e venerado, e principalmente compreendido, foi cruelmente humilhado e assassinado!!.

A doutrina de Buda não se refere diretamente á existência de um Deus, porém a noção de uma criação perfeita está implícita. Buda se ateve mais precisamente á passar informações importantes á todos os seres humanos para que estes se livrassem de todo o sofrimento e atingissem um estado de perfeição e sabedoria. Assim como Cristo e Krishna, e também Maomé, Buda passa grande parte de seus ensinamentos na forma de parábolas, e também nos oferece uma série de regras de conduta totalmente lógicas em sua estrutura para que todos possamos atingir a sabedoria e consequentemente um estado de ausência de sofrimento (Estado de Buda).

 

 

Os “religiosos” tendem sempre a condenar a informação espiritual como se esta se colocasse contra a noção de Deus e Cristo, porém o que ocorre realmente é que a Ciência Espiritual apenas CONFIRMA ainda mais a perfeição Divina e glorifica ainda mais os ensinamentos de Cristo. É preciso ainda ressaltar que o termo religião refere -se à ‘religação’, o termo re porque uma vez já estivemos mais próximos deste conhecimento (ATÉ O MOMENTO QUE A PRÓPRIA IGREJA NOS AFASTOU DELE, quando tomou para si os textos sagrados, adulterou suas informações e incluíram nestas os seus dogmas e bulas papais…).

O que ocorreu de mais grave foi a omissão da Igreja em transmitir o ensinamento mais básico: o da reencarnação como uma realidade, não uma fantasia. Está mais do que claro no evangelho: Só chega ao pai quem nascer de novo. E o que mais pode significar nascer de novo senão o próprio mecanismo da reencarnação, onde nós, espíritos individuais, abandonamos o corpo carnal que não nos serve mais para simplesmente prosseguirmos nossa jornada rumo ao conhecimento e ao amor através de um novo corpo?

Nada pode ser mais lógico e claro do que este maravilhoso e justo meio para que TODOS NÓS possamos alcançar o objetivo maior de todos os seres humanos: a evolução em todos os sentidos. E é óbvio que ninguém pode conseguir esta evolução em uma única vida!!!

Está mais do que claro que todos nós estamos em diferentes graus de evolução espiritual, ou será uma simples coincidência ou acaso genético que possam existir pessoas com a capacidade intelectual de um Einstein, a sabedoria de um Gandhi, o amor pelo próximo de um Francisco Xavier, se isto não é explicado pela reencarnação, onde espíritos caminham para a evolução e renascem trazendo em si o resultado de sua evolução anterior, como alguém pode explicar tantas disparidades dentro da mesma espécie humana??

Se esta é a única explicação lógica para tantas disparidades, para tantas coincidências, porque ainda insistimos em não acreditar? O que pode nos provar que não existe a reencarnação?

 

A única razão que vejo para que algumas pessoas ainda não acreditem neste mecanismo de justiça universal, que é a oportunidade para que todos consigamos evoluir, pois a morte em si não existe, apenas a morte física, é o medo destas pessoas de terem que arcar agora com a conseqüência de seus próprios atos.. Sim, porque quando se toma a reencarnação como fato, sabe-se por conseguinte que certas inimizades não se encerram com a morte, sabe-se que teremos que nos deparar com nossos desafetos novamente, seja nesta vida, tendo estes como obsessores desencarnados, seja em próxima, tendo á estes como nossos próprios parentes…

É preciso que vejamos agora outro aspecto importante da reencarnação: a Lei da Ação e Reação. Tudo o que fazemos será posteriormente voltado á nós: o que fizermos de bom retornará, assim como o que fizermos de mau…

 

Fica simples agora identificarmos a lei da ação e reação em todos os níveis: antigos inimigos encarnam-se como irmãos que sem motivo aparente tem antipatias mútuas, aqueles a quem desprezamos entram em nossa vida como filhos sequiosos de compreensão e amor, simpatias e amores à primeira vista são agora compreensíveis, assim como doenças de caráter congênito sem explicação na matéria são elucidadas pela LEI DO CARMA.

E a lei do carma é apenas outra denominação para lei da ação e reação, em todos os níveis da Criação.

 

A queda de civilizações inteiras que ocorrem de maneira cíclica espiral, com espantosa simetria de eventos, não são ao acaso, mas pela encarnação de nações inteiras atraídas pela lei do carma, para acerto de contas deixadas no passado.

Enquanto os homens não perceberem que a chave para a saída deste ciclo está na sua melhoria PRÓPRIA, tornar-se-ão encarnados para sofrer fisicamente o resgate de suas faltas, faltas estas oriundas apenas do mau uso do seu LIVRE ARBÍTRIO. Quando atingirmos a perfeição conhecida por nós, através da execução diária em nossa própria vigilância e correção, tanto com relação ao nosso corpo e mente quanto em relação ao nosso próximo, então estaremos libertos do sofrimento, usando a encarnação somente para o aprendizado a respeito dos elementos da Criação e para o exercício do Amor.

 

DEUS

A Ciência Antroposófica possui em várias publicações a explicação mais detalhada de como nós escolhemos nossa própria reencarnação, em aspectos que envolvem nosso próximo corpo físico, nossas relações de parentesco e de amizade, e ambiente que circundará nossa próxima vida. E tudo isso fazemos durante essa vida que vivemos hoje associado ao que vemos após a nossa morte física.

No seu livro, Stephen Hawking tenta constantemente colocar Deus em algum ponto deste Universo, e suas tentativas são em vão, o que agora ficará facilmente explicado se descobrirmos que Deus não está dentro da criação, nem foi criado com ela, mas sim se encontra AO LADO desta.

Deus, ou Logos, não se personifica em nada, nem pode ser comparado com qualquer coisa que possamos tomar como referência, sendo o princípio que rege a disposição perfeita do Universo e que estabelece na perfeição matemática todas as suas leis. Sua natureza está bem distante do alcance de nossa mente ainda tão limitada pela ilusão da matéria, restando a nós somente reverenciarmos sua imensa perfeição e amor, por nos permitir aprender com sua criação, e tornarmos senhores dela mediante os nossos próprios esforços…

 

Quando se fala em Deus logo evocamos a imagem que nos passou a Igreja, a imagem de um homem arbitrário e vingativo, que nos vigia e nos pune, mandando-nos ao inferno ou ao paraíso. Quanta deturpação da realidade da onipresença e onisciência Divina!! Quando se fala dos atributos de Deus podemos explicar a todos como a perfeição que se encontra desde a disposição de um único átomo até a vida como a conhecemos.

Somente o livre arbítrio mal empregado é que separa o homem da perfeição. Diante de todas as nossas escolhas diárias, quantas não fazemos visando apenas nosso egoísmo em detrimento de outrem? Não pensamos nunca na conseqüência dos nossos atos, ignoramos o princípio básico da ação e reação e nos julgamos a salvo da inevitável resposta aos nossos atos.

O carma não é uma teoria fantasiosa de seitas esotéricas, mas uma realidade da qual devemos ter plena consciência, pois rege TODAS as nossas ações!

Quando imaginamos então a punição divina pelos nossos erros, ou a vigilância em todos os lugares, na verdade estamos tendo uma falsa imagem. A Perfeição e Justiça Divina demonstram-se na lei mais básica: Ação e Reação.

A realidade reencarnatória mostra-nos que a justiça está nos mecanismos do carma, ou seja, no resgate voluntário das nossas faltas, e isto ocorre desde o momento da nossa morte física até o início de uma nova jornada reencarnatória.

Sabemos, através das ciências atuais, que todo o universo está corretamente disposto de acordo com as leis da física e da química. Cada átomo está disposto de acordo com uma estrutura pré determinada, e sabemos que todos os elementos existentes são variações da constituição elétrica deste mesmo átomo primordial, que por sua vez é também constituído de outras estruturas menores, partindo tudo de uma mesma matéria , na realidade não – matéria, primordial.

Estas modificações e agrupamentos ocorrem de modo lógico, segundo o padrão de leis determinadas, das quais o homem é mero pesquisador. Os planetas seguem uma órbita pré determinada por este mesmo motivo, assim como os elementos se modificam e a matéria é apenas reflexo destas alterações de forma. Deste modo temos que uma VONTADE superior, que é totalmente lógica em suas manifestações, plasma os elementos de modo que estes se agrupem constituindo a matéria que testemunhamos em nossa vida terrena.

Deus nada mais é do que a denominação humana para o conceito totalmente abstrato de uma causa matematicamente correta que se manifesta em todos os elementos do Universo, e nas suas modificações.

Na realidade a constituição primária da matéria estava dispersa em algum período anterior á formação do universo como o vemos hoje, que seria o Caos inicial, e devido á Vontade desta Força Abstrata porém existente, se plasmou a matéria como a vemos hoje nos elementos.

Somos testemunha desta força e de suas conseqüências, e Deus é apenas a maneira como nos referimos á um conceito abstrato , porém logicamente constituído e manifestado. O fato de o chamarmos por este nome não implica absolutamente que esta força cesse de atuar.

 

ILUSÃO – O GRANDE MAYA

De todas as doenças físicas apenas cerca de 10% tem causa puramente ambiental. As outras 90% tem como causa o desequilíbrio do organismo físico perfeito , seja por causas cármicas ou de conduta, assim como as causas astrais, como obsessões, magias e enfeitiçamentos.

Curemos primeiro nossa ignorância para depois tentarmos curar nossas doenças – Procura o reino de deus e todo o resto vos será acrescentado

– O grande Maya na filosofia oriental se refere á ilusão de pensarmos que o mundo material é tudo o que existe, ignorando a vida espiritual e dando valor não merecido e exagerado pelo mundo material, advindo disso também outros sentimentos deletérios como a cobiça e a avareza.

Quando nos libertamos da visão puramente cerebral (ou material) do mundo, e assumimos como verdade a existência de nossas vivências no mundo astral consequentemente nos libertamos do grande Maya, e não nos preocupamos mais como nossos sofrimentos diários, pois na visão real todo sofrimento é um aprendizado, e nos leva ao caminho da evolução. E quando nos abstemos do sofrimento, incluído aí também o sofrimento pelo apego às coisas materiais pelo desesperado apego à vida terrena como se esta fosse a única, estamos no que a filosofia budista chama de Nirvana, e que a filosofia cristã denomina como Salvação.

O conhecimento das leis da reencarnação é fundamental para que consigamos finalmente alcançar este estado de ausência de sofrimentos, e consequentemente cessaremos de reencarnar neste planeta, seguindo no caminho da nossa evolução acompanhados de nosso espírito eterno. A serpente, na Bíblia, seduziu Eva para que esta optasse pelo conhecimento, e desta forma além de representar Lúcifer, que é nossa tendência para o egoísmo, também representa Arimã, que os antropósofos denominam como a tendência á ilusão do mundo material, ou Maya. Arimã tem o mesmo significado que Maya, pois ambos significam a matéria palpável do mundo físico que ilude o ser humano, fazendo com que este acredite ser o mundo real apenas aquele que pode provar fisicamente.

Arimã representa as seduções do mundo exterior, representa os prazeres terrenos e ilusórios, incluindo aí toda a sorte de ligações que o ser humano apresenta com a matéria física por opção própria, como resultado de uma visão deturpada da sua verdadeira Realidade Espiritual. É apenas um termo, que, assim como Lúcifer e Deus, não deve ser interpretado como um ser permeado de ações arbitrárias e sem sentido como nós, seres humanos. O Alcorão se refere á Maya de diversas formas, sendo que geralmente usa o termo sedutor. Temos um exemplo no versículo 256 da 2ª surata, que define de maneira clara a Verdade : “Não há imposição quanto á religião, porque já se destacou a verdade do erro. Quem renegar o sedutor e crer em Deus, ter-se-á apegado a um firme e inquebrantável sustentáculo, porque Deus é oniouviente, sapientíssimo” É importante lembrar que o Alcorão não define uma religião distinta das outras religiões, mas considera como muçulmano todo aquele que crê em Deus, da mesma maneira que Deus é definido em todas as outras religiões Monoteístas.

GÊNIOS, DEMÔNIOS, SATÃ e LÚCIFER

O ALCORÃO nos ensina que Lúcifer é um espírito de luz, um gênio, criado por Deus pelo fogo. Era originalmente um anjo, e, quando Deus criou a humanidade, ordenou que todos os anjos servissem ao homem para o auxiliar na sua evolução. Neste momento, Lúcifer se recusou á obedecer, pois acreditava que o homem era inferior e que ele não deveria se rebaixar á ponto de se curvar diante do homem..

Lúcifer então argumentou com o Criador que o homem era fraco, e que ele iria seduzir á todos para demonstrar que a humanidade era indigna de que os anjos se curvassem. Deus então aceita tolerar á Lúcifer e suas tentações ao homem até o dia do juízo, quando então todos aqueles que forem seduzidos iriam acompanhar Lúcifer á sua morada infernal.

Por outro lado, a doutrina espírita de Alan Kardec rejeita a idéia de um ser maligno personificado em Satã. Nos ensina que existem sim espíritos desencarnados afeitos á maldade, e que, libertos do laço carnal, se utilizam de sua condição para obsedar e vampirizar os seres encarnados por vingança, pura maldade ou até diversão.

Na Bíblia, porém, há inúmeras referências á Lúcifer como um anjo do mal. Na doutrina de Zoroaster – Zaratustra há referência á uma entidade do mal que foi criada através da condensação de todas as formas pensamento originadas pelos próprios seres humanos, sendo que todos estes pensamentos malignos em sua essência (vingança, ódio, luxúria, mentira) convergiram para o centro da terra e lá tomaram forma em um único ser que se ocupa unicamente em tentar desviar a humanidade da senda reta do Criador.

Admitindo que existem realmente seres de luz criados diferentemente da nossa matéria e observando certos comportamentos e atitudes aberrantes do ser humano, chega então á ser plausível que esta criatura realmente exista, como uma criatura de luz extremamente bela, porém fria, que vê á nós , seres humanos, como insetos que deveriam ser exterminados. E assim ocupa-se em tentar de todas as maneiras desviar os humanos dos caminhos ditados por Deus para que caiam no erro e tenham então a verdadeira morte, que é a morte do espírito.

O único senão para o seu poder é que não pode atuar sobre o ser humano á não ser que esta o permita através da vibração de seu pensamento e de suas atitudes. Sendo assim o ser humano só é atingido se abrir a guarda de si mesmo. De outro modo, este ser não tem nenhum poder sobre nós.

Estudando o livro O REINO DOS DEUSES  de Geoffrey Hodson, após a explanação sobre as dez classes Saphirotais (ou dos anjos), que descreverei mais tarde, veio este texto muito pertinente sobre a questão do Mal. O que é o mal, de onde vem, quem faz?

E claro não coincidentemente na aula do curso da Seara de hoje falamos sobre os 3 macaquinhos lendários do Japão, os que cobrem as orelhas, os olhos e a boca, o que significa que não OUVEM o mal, não VÊEM o mal e não DIZEM o mal. E que seguindo estes simples preceitos teríamos uma sociedade mais pacífica e civilizada.

“ Em filosofia oculta, Deidade é a Vida Eterna, manifestada em Manvântara (os dias de Brahma onde o Universo aparece materialmente), em forma segundo a lei numérica e imanifesta em Pralaya (período de repouso onde o Universo existe de forma subjetiva).

Os arcanjos e anjos em suas 10 ordens tornam manifesta a vida eterna segundo o verbo. Em um dos seus muitos aspectos os Sephiras inversos são expressões da substância eterna e de seu inerente espírito de resistência à vida. Estes dois aspectos se reúnem no homem, cuja tarefa hercúlea consiste em pô-los em perfeito equilíbrio. Como adepto, ele realiza isto em sua própria natureza. Como Logos, ele o estabelece em um sistema solar de sua própria emanação. Desde que o homem é o ÚNICO SER EM QUE ESPÍRITO E MATÉRIA ESTÃO IGUALMENTE PRESENTES, ele se torna o campo de batalha do universo. Armageddon é combatido em seu interior. O espírito nele sofre constante derrota até o desenvolvimento da Mente Superior. Quando a luz começa a brilhar dentro do homem, a vitória está em suas mãos . Como espécie ele estabelece a fraternidade do lar planetário.

Como poderes manifestados, tanto espírito como matéria são setenários, encontram expressão em 7 princípios. Os7 princípios de Satã, no sentido oculto, são os sete planos de matéria e seus 7 subplanos. Na filosofia oculta não encontram lugar nem satã como a personificação do mal, uma isolada corporificação da infâmia, nem Deus como governador moral, extracósmico onipotente, infinito mas pessoal, cujas leis possam ser modificadas por persuasão, como é concebido na imaginação popular ou na mente teológica. Há verdade no conceito de um par de opostos cósmicos: espírito e matéria, atividade e inércia, construção e destruição, egotismo e totalismo, mas são ilusão as suas imagens humanizadas.

Não obstante , quase todas as religiões em seus aspectos exotéricos, promulgam a idéia de um ser maligno em perpétua oposição à Deidade suprema. O cristianismo popular não é exceção, embora a forma satânica tenha sido modificada no decorrer dos tempos. Dante descreveu o diabo como um gigante de 3 cabeças, Milton e Goethe o apresentaram como um homem do mundo, trágico , heróico e até mesmo razoável. E há também o conceito do anjo caído, continuamente induzindo o homem ao pecado.

A existência do Diabo e do mal está intimamente ligada ao atributo de LIVRE ARBÍTRIO  do homem. Dentro da estrutura da lei cósmica, e á parte da irresistível pressão evolucionária, o homem possui liberdade de pensar, planejar, falar e agir de acordo com os propósitos da natureza ou contra eles. Quando opera contra este propósito, torna-se antagonista do propósito cósmico, e em consequência gera para si experiências e condições de vida adversas, ou ‘más’. Se persiste, tende a ser excluído e isolado da corrente da FORÇA VITAL universal, um ser mais da morte que da vida. Alguns homens têm assim continuado à exercer sua liberdade de ação, são os chamados MAGOS NEGROS, as forças negras, os seguidores do caminho da esquerda, os senhores da face tenebrosa, os irmãos das sombras. Seu destino não é serem aniquilados, mas cairem na condição conhecida como Avichi, o Inerte, o pólo OPOSTO do NIRVANA para o qual se encaminham  os adeptos da direita. Afinal, aqueles que se tornam corporificações altamente desenvolvidas da auto separatividade, em um ciclo posterior de manifestação reembarcam numa jornada involucionária e evolucionária.

Assim Satã seria a personificação de Ahamkara, o impulso auto ativo que faz gerar a ilusão da auto separatividade dentro da onipresente vida espírito. E o mal, como consequência, e todas as aflições humanas brotam desta ‘heresia’de separatividade. O monstro fabuloso da teologia popular é o bode expiatório , alguém a ser culpado pelos erros em que a humanidade incorre ao passar especialmente pelas fases mentais e mentais de sua evolução.

A ação do sephira inverso, o Belzebu, deus das moscas, príncipe dos demônios, pode ser tomada como um exemplo do lugar concedido da filosofia oculta e algumas das enumerações negras. São vistas como personificações da resistência da matéria ao processo harmonizador a ser executado pela natureza através de seu filho , o homem, antes do encerramento do Maha – Manvântara. Esta resistência não pode, na verdade, ser encarada como um mal, pois sem ela não poderia haver desenvolvimento nem expressão de poderes latentes.

Assim como o escaravelho encerra o germe de sua vida numa bola de lama, assim Belzebu, o senhor dos escaravelhos, amortalha as mônadas humanas em veículos materiais. 

(neste ponto lembrar da descrição de Satã como o próprio Sol,  como o Deus de nosso corpo material, como já foi descrito na Bíblia, o espírito é de deus e o corpo do diabo)

Havendo cumprido sua função de encerramento, o escaravelho rola a bola de lama para um lugar ao sol, e por fim o ovo parte-se e produz a larva que se transforma no escaravelho alado, por sua vez progenitor de outros ovos. Belzebu, no seu sentido esotérico, pode ser encarado como a personificação daquele impulso que o escaravelho compartilha com toda a Natureza, de encerrar a vida em formas, mônadas em corpos, e de impulsioná-los em suas jornadas cíclicas (entro neste ponto para lembrar que os ciclos que compõem basicamente tudo o que conhecemos, não é verdadeiramente um ciclo fechado, como a Oroboro nos mostra na figura da cobra comendo sua própria cauda, senão estaríamos sempre voltando ao mesmo ponto. pensando tridimensionalmente, fazemos sim uma ESPIRAL, onde a cada volta ao ponto de partida estamos em uma FASE ou PLANO diferente, desejavelmente acima e não abaixo na escala evolutiva), ou atá-las á roda dos ciclos maiores ou menores. Provavelmente por isso era o escaravelho considerado sagrado no Egito,pois como inseto exibe um dos mais misteriosos poderes e atributos da natureza. (vou lembrar que aqui foi dito que o homem é o único que exibe alma e corpo no mesmo ser, pois nos animais a alma é coletiva, uma alma-grupo não ainda não individualizada, cabendo também ao ser humano uma responsabilidade nesta individualização conforme seu trato pelos ditos animais, pois ele também é considerado cientificamente um animal).

Uma ordem de sephiras inversos são uma ordem que modelou os corpos mentais, emocionais e físico etéricos das 3 primeiras raças de homens a habitar esta Terra. Esses Pitris , como os chamam no hinduísmo (de novo lembrando que o conhecimento passou do hinduísmo ou da ásia para o egito, e de lá para os povos hebreus, de onde se originam estes estudos cabalísticos citados aqui e o próprio Jesus, judeu cuja missão era ensinar o Deus do Amor á todas as pessoas do mundo, como diz no evangelho: este será ensinado á todas as nações e então virá o fim), esses Pitris cumpriram sua tarefa de induzir ou atrair os egos – mônadas (que são a individualidade do espírito) daquelas raças aos corpos que eles lhe haviam construído. Desde que esta função de materialização parece má do ponto e vista do arco evolucionário, que ascende para a espiritualização, estas inteligências são às vezes referidas como HIERARQUIAS SATÂNICAS. Uma função correspondente é efetuada por membros das hostes angélicas por todos os seres humanos ao nascimento, no arco pré natal ou descendente do ciclo de cada nascimento sucessivo, quando o EGO projeta uma raio de seu poder, vida e consciência do reino da Inteligência espiritual onde reside. Os membros de uma Ordem das Hostes Angélicas cooperam na construção dos corpos mental, emocional, físico etérico, no seu mútuo ajustamento e em induzir-lhes a consciência humana.

Ainda que a função de amortalhamento, sepultamento e incorporação de certos saphiras imponham limitações temporárias da vida interna, ela não pode ser encarada como sendo realmente um MAL. Tampouco podem ser encaradas como satânicas as inteligências envolvidas nestes processos,porque a descida é essencial à ascenção, a temporária corporalização parao desenvolvimento de poderes latentes. Na religião egípcia, o Deus Kephera (aquele que gira) era o pai dos deuses e criador de todas as coisas no céu e na terra, unigênito e geralmente identificado como o sol nascente e o novo nascimento.

No cabalismo os sephiras inversos são enumerações opostas aos sephiras superiores, personificações de funções aparentemente opostas á dos sephiras superiores. Os primeiros estão do lado da matéria e os segundos do lado do espírito. “

Foi definido aí em cima todo o processo de criação do corpo do homem, o porque de ser definido como obra demoníaca e a identificação desta criação com o sol, ou deus, ou Lúcifer.

O que faz sentido: sem conhecimentos o homem antigo olha o Sol, do qual depende toda a vida na Terra, e o compara à um anjo, um anjo de Luz, a Estrela da Manhã, aquele que não pode ser olhado diretamente, ora, então Lúcifer, o Sol, é realmente o criador da Terra e o responsável por toda a vida material. E juntamente com a Lua, que é a Deusa, cria os ciclos de estações diferentes, comemorados na magia com as festas onde o sexo e a reprodução tem uma conexão direta com a fertilidade da Terra e a vida, por isso as comemorações envolvendo animais (mais especificamente o gamo , o veado galhado, que foi deturpado pela Igreja e colocado que as bruxas faziam sexo com um Bode).

As religiões antigas, com seus cultos e comemorações, seu respeito à mulher e a Terra, com seu respeito ao sexo como a mais divina das ações do homem, e que foram relegadas à obra do demônio, sendo que até este demônio é mal compreendido, pois como pode um anjo, o anjo de maior beleza criado por Deus ser o inimigo de Deus? E não seu colaborador, pois nas suas tentações ao homem não se compraz no seu erro, mas sim respeita aquele que não cede à estas tentações, que não são sexuais no seu contexto, mas morais: a inveja, a ganância, a mentira, o egoísmo, estes sim são nossos pecados, nossos tropeços, pois é isso que significa a palavra pecado: tropeço, dos quais podemos nos levantar e começar de novo.

Então se este Deus é amor e maior que tudo, não é possível que algo exista que seja contra seus princípios, Lúcifer não é seu inimigo, mas seu anjo que auxilia o homem colocando a frente dele os desvios, mas o homem que continua seu caminho reto louva a Deus e à toda a criação, pois nada escapa à perfeição do Logos, e nada é mais justo do que podermos sempre nos redimir dos nossos erros, voltando a vida terrena, e sendo apresentados novamente à cada desvio, para que tenhamos a chance de fazer a escolha certa, pois o livre arbítrio é a ESCOLHA, nossa liberdade dada por Deus, para que continuamente aprendamos e sigamos no caminho da evolução sempre, até percebermos o que significa feitos à sua imagem e semelhança, somos deuses também, e devemos nos respeitar mais, e nos desviar sim, das religiões que nos colocam como fracos e eternos pecadores, pois não foi isto que Cristo nos deixou.

A vida na Terra não deve mais ser apenas sofrimento, estamos passando para o próximo estágio, devemos louvar esta vida, esta Terra, e este momento, pois este corpo nos permite aprender muito, este é o objetivo, aprender sempre, então viva para o aprendizado, livre da noção que após esta vida ou é o inferno ou o céu, estes estão continuamente na nossa mente, se escolhemos o caminho do egoísmo ou do amor, da ignorância ou da sabedoria.

O reino das trevas é aquele local que fica localizado abaixo do umbral. Se pensarmos que, para os desencarnados a matéria física não é obstáculo, podemos até dizer que este Inferno pode estar localizado mesmo no local físico do centro do planeta, mas esta é apenas uma visão simplista e ilustrativa.

Quando o espírito pertence á uma pessoa má, por exemplo, ele existe, após a morte física, neste local de trevas eternas. Pessoas criminosas, sem remorsos, vingativas, ciumentas, egoístas, são sérias candidatas á viverem neste local após sua morte física. Uso agora o termo morte, porque neste caso, a morte física significa apenas o início de um tormento que pode realmente se prolongar por toda uma infinidade de tempo. Tempo suficiente para que o indivíduo em questão perceba o seu erro, se arrependa e peça perdão á Deus. Neste momento, seu tormento inicia sua regressão, Pois Deus sempre tem ao seu lado espíritos angelicais dispostos á socorrer todo aquele que procura seu auxílio de coração aberto. Pessoas que em vida não adquiriram laços de amor com outras pessoas também são candidatos á viver neste local, ou no umbral. Assim como existem pessoas que estão nestes locais e são resgatadas de lá por parentes mais esclarecidos ou por simpatias que adquiriram em vida.

O AMOR é o responsável por este resgate, a falta deste é a causa do indivíduo viver nas sombras. O Amor é simplesmente a cura e solução de todos os problemas, será que ainda está difícil de entender o objetivo deste livro??

Cultivar o amor, sempre, o perdão, o desapego á matéria, juntar tesouros onde a traça e o tempo não tem ação…

Tudo é criado por anjos, tudo o que é espiritual e tudo o que é material, somos criação dos anjos e estamos destinados á perfeição e a sermos deuses. (Mt 5:48)

Estamos destinados á continuar a Magna Obra (opus magna).